Tilúcio, nosso Mestre imortal

(Aloísio Pinheiro, Marcílio Vieira Neto e Ildefonso Dé Vieira)

 

 

Clique, abaixo, no PLAY (em verde) para tocar a música

 

Um dia o poeta cantou,

o samba que ninguém vai esquecer,

Tilúcio na avenida,                         |

carnaval não morre ainda              | repete

e não pode morrer                          |

 

(Alô Vila Trajano, chegou a hora, s’imbora bateria nota dez)

 

Uma estrela brilhou            |

Dona Hortésia sorriu          | repete

a parteira gritou                  |

um menino que surgiu.     |

 

Eu vi...

 

Eu vi um menino moleque,

coroinha cresceu, venceu

e fez por merecer,

jardineiro, bicheiro e pintor,

sua família criou,

em nossos corações eternizou.

 

Foi num bloco formado na rua,

que nasceu o nosso carnaval,

veio montado na sua mulinha,

Tilúcio, nosso mestre genial.

 

Na avenida surgiram foliões,

colorindo fantasias,

à frente Raymundo Francisco,

nosso eterno Tilúcio,

encantando corações.

 

E brandindo a sua batuta,

comandava e alegrava os carnavais,

que saudade da nossa bandinha,

velhos tempos que não voltam jamais.

 

Hoje a “Vila” vem cantar Tilúcio,           |

nosso Mestre imortal,                                | repete

Deu a vida inteira para o samba,             |

dos bambas ele foi o maioral.                  |

 

Um dia o poeta cantou,

o samba que ninguém vai esquecer,

Tilúcio na avenida,                         |

carnaval não morre ainda              | repete

e não pode morrer...                       |

 

Os anjos chamaram o nosso mestre,

para sambar lá na eternidade,

um surdo ecoou melancolia,

nossa gente não sabia

o que era felicidade.

 

De uma janela entre as estrelas,

Tilúcio continua a sambar,

sorrindo com o meu azul-e-branco,

nessa homenagem singular...

 

Uma estrela brilhou... (repete tudo)