Por quê não ontem ?

 

 

Já não distingo a ausência de tua ausência,

à falta de teu corpo tomando forma em meu corpo.

Às tuas carícias ou tuas palavras,

à saudade de tua saudade ou ao perfume de tua essência.

 

Já se misturam, química de desejos;

a vontade de não mais ter vontade,

a lucidez a clamar demência,

a distância a pronunciar esquecimento,

o bem-me-quer querer, despetalar-se ímpar.

 

Já não construo, engenharia falida;

o amargo vago de meu amargo,

na doçura bravia de horas vãs, fugidias,

na pálida esperança de dias incertos,

na cruel realidade que amordaça....

E passa...passa... passa...

EN PASSANT

Não faça... disfarça... passa...

Pássaros... Músicos... Mágicos...Palácios...