Não olhes prá trás (21/08/84)

 

 

 

Não olhes prá trás ao cruzares o Equador.

à frente, cintilante estrela  te fará companhia.

 

Não olhes prá trás,

pelos feridos e mutilados que ficaram.

 

Não olhes prá trás,

que o sal do destino tempera a nossa saudade impune.

 

Não olhes prá trás,

pelos órfãos e bandidos, que adornam os nossos trilhos.

 

Não olhes prá trás,

nem dobres uma lágrima virgem aos omissos e traidores.

 

Não olhes prá trás,

somos prisioneiros do mesmo sentimento e verdade.

 

Não olhes prá trás,

quem aguarda um segundo, espera a eternidade.

 

Não olhes prá trás,

sempre o lado colorido da saudade.

 

Não olhes prá trás,

guardarei dos teus olhos, o amor, a sinceridade.

 

Não olhes prá trás,

à frente te espreita  a realidade.

 

Não olhes prá trás ao cruzares o Equador.

o amor sobrevive além das intempéries.

 

Não olhes prá trás,

o amigo anda um passo à frente.

 

Não olhes prá trás,

o sentimento tem dimensões invisíveis.

 

Não olhes prá trás,

o vinho da festa tem sabor de amanhã.

 

Não olhes prá trás,

à vida, festeja-se eternamente.

 

Não olhes prá trás ao cruzares a linha do Equador.

Na linha do horizonte, somem-se ilhas, barcos, pedaço do céu.

Na linha do infinito, surgem galáxias, estrelas, pipa de papel comum.

 

Na linha do amor, há um fazer sentido.

Na linha telefônica que de ti escuto, ouço :

tum-tum, plim-plim, tum-tum.

Estejas sempre na linha de frente.

 

Não olhes prá trás,

lembre, não sonhe.

 

Não olhes prá trás,

sonhe sem pesadelos.

 

Não olhes prá trás,

grite, não sussurre.

 

Não olhes prá trás,

sussurre, não lamentes.

 

Não olhes prá trás,

por temor ou piedade.

 

Não olhes prá trás,

por culpa ou castidade.

 

Não olhes prá trás,

por favor ou falsidade.

 

Não olhes prá trás,

por tristeza ou felicidade.

 

Não olhes prá trás,

por motim ou caridade.

 

Não olhes prá trás ao cruzares a linha do Equador.

Nas linhas da mão, o destino, a vida, o coração.

 

Invisível linha que separa a razão da fantasia.

Imaginária linha que limita o pecado e o sonho.

Agônica linha de almas a flutuar.

Não olhes prá trás.