Despedida da Calouros do Samba

Adeus,

Levo meu último samba à rua,

Por Deus,

Não quero loiros e falsos aplausos,

Tortura-me ouvir cantar

Portela, Mangueira e Beija-Flor,

Sons de escolas, Oh! Calouros,

Que aqui nunca pisou.

 

Cansei,

De lavrar refrões que não se cantava,

Tenho-te amor,

E este amor, só a mim, me basta.

 

Não por vaidade,

Assim me decidi,

Minha pureza reclamava

Uma história prá contar...

Cantar...

 

Se vai meu samba,

Inda fica o passista,

Se vai meu samba,

Inda fica o passista,

 

Roda, gira, ginga o povo,

Sapateia ao luar.

Não mate de novo

O que não se quer enterrar.

09/11/81